Ortopedia

Doença de Osgood-Schlatter: já ouviu falar?

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

Condição é relacionada ao crescimento e atinge principalmente meninos

Uma das mais importantes e complexas articulações do corpo humano, o joelho, como esperado, pode ser afetado por uma série de diferentes condições. Entre elas, a Doença de Osgood-Schlatter. Apesar do nome complicado e pouco ouvido no dia-a-dia, a doença é considerada comum, atingindo cerca de 20% dos adolescentes atletas e 5% dos não atletas.

“A condição é caracterizada por uma inflamação no local onde o tendão do músculo da coxa encontra a tíbia”, diz o Dr. Pedro Baches Jorge, ortopedista, especialista em joelho e Médico do Esporte, da Clínica SO.U. Ainda, é considerada uma osteocondrose, um grupo de distúrbios relacionados ao crescimento, de acordo com o médico.

Veja também: Lesões no joelho: o que as causam e como se prevenir

Segundo a Dra. Giovanna Bertucci Moreira, especialista em Ortopedia Pediátrica, a doença aparece normalmente entre os 12 e 15 anos, sem uma causa muito bem definida. “Na maioria das vezes ocorre em meninos que praticam esportes, porém, com o aumento de meninas engajadas em atividades físicas, a ocorrência tem sido proporcional. Pode ser atribuída por tração repetia do ligamento patelar ou por um surto de crescimento”. A grande maioria dos casos (próximo aos 90%), tem resolução antes da vida adulta. Quando prolongada, pode haver formação de um ossículo na região.

Veja também: Amor e Ódio: a relação entre jogadores de futebol e seus joelhos

Os sintomas mais comuns são dor, inchaço e sensibilidade na região, localizada na frente do joelho, logo abaixo da patela. “Normalmente, o tratamento indicado inclui afastamento da atividade física, medicação e compressa com gelo para controle da dor, fisioterapia analgésica, de fortalecimento e alongamento do ligamento patelar”, explica a médica. Com isso, normalmente há a remissão da doença em alguns meses. Quando não efetivo, em casos raros, pode ser necessária imobilização, injeção de corticoides ou intervenção cirúrgica.

“Os pais devem ficar atentos a esses sintomas e procurar um especialista para diagnóstico e início do tratamento adequado”, alerta o médico. O diagnóstico normalmente é clínico. Ainda, pode ser solicitado exames de imagem para descartar a possibilidade de outras lesões.

 

*Dr. Pedro Baches Jorge é médico Ortopedista, especializado em Joelho e Medicina do Esporte. Fundador do Núcleo de Medicina do Esporte do Hospital Sírio Libanês e Membro do Grupo de Trauma Esportivo da Santa Casa de São Paulo. Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Trauma do Esporte (SBRATE) e Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ). Clínica SO.U – Unidade Bela Vista – R. Barata Ribeiro, 398 – 3º andar – Bela Vista, São Paulo – SP, 01308-000 – Tel.: +55 (11) 3258-1706

*Dra. Giovanna Bertucci Moreira é médica Ortopedista formada Universidade José do Rosário Vellano, UNIFENAS. Possui Especialização em Ortopedia Pediátrica e Especialização Neuromuscular pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

 

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais

Dia Mundial de Combate a Asma; entenda mais sobre a condição

O Dr. Marcelo Vivolo Aun comenta a respeito da data e da sua relevância para as pessoas que convivem com essa síndrome.

Leia mais

Você sabe o que é ombro de nadador?

Mesmo sendo um dos esportes de baixo impacto é preciso ter atenção.

Leia mais