Esporte

Distensão muscular: a fisgada que incomoda

Escrito por:Dr. Jan Willem Cerf Sprey | 3 minutos

Ainda que não seja incapacitante, distensão muscular requer atenção; dependendo do grau da lesão, tratamento pode ser conservador

Atleta ou não, difícil encontrar quem nunca tenha sido vítima dela – aquela fisgada no músculo, como um puxão, seguida imediatamente de dificuldades em movimentar o membro afetado. Dolorida, a distensão muscular ocorre sempre que um músculo ou tendão é submetido a um esforço que rompe algumas ou muitas fibras musculares. Não incapacita, mas pode gerar muito incômodo e dores, dependendo do grau da lesão.

Os fatores de risco para distensões musculares passam pela falta de condicionamento físico adequado. Atletas de final de semana que não fazem aquecimento antes de atividades físicas, excesso de peso, ou cansaço onde o músculo é exigido além do limite.

Não se pode descartar, entretanto, que uma distensão ocorra em atividades corriqueiras do dia a dia, como, por exemplo, forçar mais o músculo  da coxa ao subir uma rampa, até o ponto de sentir a tal fisgada.

Os sintomas mais comuns da distensão muscular são:

  • Sensação de fisgada, impressão que o músculo esticou; se em atividade esportiva, a mesma tem que ser abandonada.
  • Dor de moderada a intensa na articulação próxima ao local atingido; pode haver pontadas.
  • Inchaço e, eventualmente, calor na região.
  • Dificuldade em movimentar o membro afetado, seja braço ou perna.
  • Fraqueza muscular.
  • Aparecimento de manchas roxas na região afetada.

Além disso, as distensões musculares são divididas em três diferentes graus, de acordo com sua gravidade.

Grau 1: Distensão ligeira, pouca dor ou incômodo, estiramento leve sem ruptura de fibras musculares ou tendões.

Grau 2: Lesão moderada, no músculo ou nos tendões.

Grau 3: Distensão grave, devido ao rompimento total do músculo ou tendão, causando extravasamento sanguíneo, inchaço e sensação de calor na área afetada.

A avaliação clínica do ortopedista é o suficiente para concluir o diagnóstico, mas recomendações de exames de imagem raio-x, eletromiograma e ressonância magnética também são indicados.

Recuperação

Nas primeiras horas após a lesão, a primeira medida recomendada no tratamento de uma distensão muscular é o repouso, paralelamente à aplicações de gelo na parte lesionada; ao consultar um médico, anti-inflamatórios poderão ser indicados. Em alguns casos, o tratamento conservador é o suficiente para a curar a lesão.

A fisioterapia pode ser indicada pelo ortopedista. Compressas de gelo e/ou calor, e aparelhos de ultrassom e laser são técnicas empregadas.

A recuperação de uma lesão de grau 3, considerada grave pode levar até quatro semanas ou mais para melhorar.

Prevenção:

Por meio de exercícios, mesmo não atletas podem minimizar as chances de uma distensão muscular. O ideal é manter o(s) músculo(s) devidamente alongado(s). Realizados em casa, no trabalho ou na academia, contribuem muito para evitar surpresas desagradáveis, pois um movimento banal feito com um pouco mais de energia, pode causar a distensão.

Não são incomuns casos de distensões leves nas quais ocorre a autorregenerarão das fibras musculares rompidas, sem necessidade de tratamentos. Entretanto, deve-se sempre procurar o médico ortopedista, não só para um diagnóstico mais preciso, como também para evitar que uma lesão leve reapareça em grau mais complicado, ou torne-se crônica.

Sobre o autor

Dr. Jan Cerf Willen Sprey é especialista em Medicina Esportiva (SBMEE) e Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Especializado em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva, se formou em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Mestre em Ciências da Saúde pela Santa Casa de São Paulo e tem pós-graduação em Nutrologia pela ABRAN e em Medicina do Exercício e do Esporte pela UNIFESP. Diretor da Sociedade Paulista de Medicina do Exercício, Revisor da Revista Brasileira de Ortopedia, coordenador do programa de Residência Médica em Medicina Esportiva da Santa Casa de São Paulo e é professor instrutor do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Consultórios: Rua Barata Ribeiro 398, 3° andar Rua Bandeira Paulista 716, cj 42 – São Paulo-SP Tel.: + 55 (11) 3258-1706 / 3258-1394 / 96423-5137

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

A vida depois do marca-passo

O cirurgião cardíaco, Dr. Daniel Bartholo Hyppolito, traz informações a respeito do implante de marca-passo e a vida após o procedimento.

Leia mais

Plantão #16 – Desmistificando a Anestesia

Especialista ira todas as nossas dúvidas sobre esse momento tenso da cirurgia - a Anestesia.

Leia mais

Plantão #15 – Cirurgia Cardíaca

Especialista fala sobre quando é indicada a cirurgia cardíaca, tratamentos em caso de infarto, a utilização de marca passo e muito mais...

Leia mais