Movimento

Correr na esteira ou na rua?

Escrito por:Dr. Jan Willem Cerf Sprey | 3 minutos de leitura

Praticantes de corridas e caminhadas divergem sobre onde é melhor praticar, mas há pontos a favor e contra nos dois lados da balança

“Prefiro correr na rua porque, além da sensação de liberdade, posso variar os diferentes tipos de treinos, seja em longas distâncias, ou percursos menores”, analisa a nutricionista Celia Regina Bittencourt, também professora de educação física e corredora. Assim como ela, é comum entre pessoas que treinam caminhadas e corridas a polarização do que é mais apropriado: correr na rua ou em esteiras?

Os argumentos da professora são válidos. Além da liberdade nos diferentes tipos de treinamentos, há a possibilidade da escolha do terreno (grama, asfalto, concreto) e a liberdade da rua, principalmente se o percurso em questão eventualmente envolver um parque ou áreas verdes, além, é claro, da ausência de tédio.

Na esteira ou na rua?

O impacto gerado no corpo é um fato. Nas esteiras, ele é minimizado por um mecanismo de absorção de impacto, uma placa comprimida por onde a esteira desliza. Fora delas, nas ruas, além do impacto, há pedras, buracos, raízes de árvores, enfim, um arsenal de perigos a ser driblado. O lado favorável, afirmam especialistas, é que o corpo fica mais protegido por ter que se ajustar rapidamente às superfícies irregulares, tendões, ossos, músculos e ligamentos ficam mais alertas a eventuais problemas, em comparação aos que não são tão exigidos.

A polêmica sai das esteiras e ruas e passa também pela neurologia. Correr na rua significa correr sobre o que está parado – no caso, o solo. Em termos de movimento, é como se “empurrássemos” o chão para trás. Essa é a leitura do cérebro. Vejamos então as esteiras. O movimento, a pisada, a corrida, é o mesmo, mas como ela rola para trás, precisamos nos movimentar para a frente. No primeiro caso, somos senhores da situação, usando o solo como queremos; já na esteira, é preciso correr atrás do piso, do jeito que ele quer.  E isso, dizem especialistas, é bom.

A grande diferença em correr sobre esteiras está no trabalho feito com nosso sistema nervoso. Estudo da revista Medicine & Science in Sports & Exercise explica que, uma vez que os comandos neurológicos acionados para correr em esteiras são diferentes do que correr no chão, o cérebro é estimulado de maneiras diferentes, realizando novas conexões neurais. E isso é bom na prevenção de doenças neurais degenerativas (leia-se Alzheimer).

Conclusão: o melhor dos dois mundos é variar o terreno da corrida, seja na esteira, na grama, na descida, no concreto, e estimular o cérebro de diferentes maneiras.

Sobre o autor

Dr. Jan Cerf Willen Sprey é especialista em Medicina Esportiva (SBMEE) e Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Especializado em cirurgia do joelho e traumatologia esportiva, se formou em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Mestre em Ciências da Saúde pela Santa Casa de São Paulo e tem pós-graduação em Nutrologia pela ABRAN e em Medicina do Exercício e do Esporte pela UNIFESP. Diretor da Sociedade Paulista de Medicina do Exercício, Revisor da Revista Brasileira de Ortopedia, coordenador do programa de Residência Médica em Medicina Esportiva da Santa Casa de São Paulo e é professor instrutor do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Consultórios: Rua Barata Ribeiro 398, 3° andar Rua Bandeira Paulista 716, cj 42 – São Paulo-SP Tel.: + 55 (11) 3258-1706 / 3258-1394 / 96423-5137

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais

Dia Mundial de Combate a Asma; entenda mais sobre a condição

O Dr. Marcelo Vivolo Aun comenta a respeito da data e da sua relevância para as pessoas que convivem com essa síndrome.

Leia mais

Você sabe o que é ombro de nadador?

Mesmo sendo um dos esportes de baixo impacto é preciso ter atenção.

Leia mais