Saúde & Bem Estar

A atividade física e a saúde mental

Escrito por:Dr. Fernando Cordeiro Pimentel | 2 minutos de leitura

Está comprovado que a prática de esportes é muito importante na prevenção e no tratamento da depressão e ansiedade

Diversos estudos internacionais realizados por cientistas e pesquisadores do mundo inteiro nos últimos anos, comprovaram que a prática de esportes aumenta a atividade dos neurônios nas áreas cerebrais relacionadas às emoções, bem como à memória e à capacidade de raciocínio.

Além disso, sabe-se que a atividade física é um excelente anti-inflamatório e que a depressão está relacionada a doenças inflamatórias ou a um aumento de atividade inflamatória no sistema nervoso. Assim, o exercício físico atua como um protetor para essa doença.

O fato de não existir uma modalidade específica que seja mais indicada contra a depressão e a ansiedade pode facilitar a adesão à atividade física, porque permite à pessoa escolher aquela em que sinta melhor, que mais se encaixe no seu perfil. E opções não faltam: caminhada, natação, hidroginástica, corrida, tênis, vôlei, musculação, spinning, artes marciais, dança, dentre outros. Encontre aquele em que você se sinta melhor e consiga manter a prática regular.

Em relação à maneira de praticar, tanto sessões únicas de exercício de moderado a intenso, quanto o exercício moderado regular comprovaram ser benéficas para a melhora da saúde mental. O importante é que seja um exercício que deixe o praticante moderadamente cansado. Arrumar a casa e caminhar entre um setor e outro da empresa, por exemplo, são considerados exercícios leves.

Aliás, vale sempre lembrar da importância de consultar um cardiologista antes de começar a treinar e de procurar um profissional que o oriente na prática. Também é importante ressaltar que a atividade física, mesmo que leve, sempre é melhor que o sedentarismo.

Segundo as pesquisas, o melhor horário do dia para a atividade física é pela manhã, o que não precisa ser uma regra. Do ponto de vista prático, o melhor horário é aquele no qual você consiga encaixar melhor em sua rotina, de forma que outras atividades não prejudiquem sua prática.

É fundamental ressaltar que a atividade esportiva é considerada um tratamento complementar para pessoas que estão tratando depressão ou ansiedade. Ela não substitui a medicação indicada.

Referências:

Griffin ÉW

Jennifer J. Heisz

Sama F Sleiman

Neurobiology of Learning and Memory

Sobre o autor

Cirurgião Vascular, é diretor executivo do Serviço de Atendimento e Referência em Álcool e Drogas (Sarad) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (HC-FMB) da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e ex-estagiário em psiquiatria do Departamento de Neurologia e Psiquiatria da FMB-UNESP (2016-2018)

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais

Dia Mundial de Combate a Asma; entenda mais sobre a condição

O Dr. Marcelo Vivolo Aun comenta a respeito da data e da sua relevância para as pessoas que convivem com essa síndrome.

Leia mais

Você sabe o que é ombro de nadador?

Mesmo sendo um dos esportes de baixo impacto é preciso ter atenção.

Leia mais