Alimentação & Nutrição

Dieta anti-inflamatória: o que é, para que serve e quando fazer?

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

Uma aliada na regulação do peso, mas também auxilia no seu imunológico, taxas lipídicas e entre outros benefícios.

Alimentos anti-inflamatórios para ajudar o seu corpo!

Normalmente, muitas pessoas quando querem perder peso pensam em algumas alternativas para fazer isso acontecer, uma delas é começar regime. Mas se engana quem pensa que o cuidado com alimentação tem apenas essa finalidade e há alternativas como a dieta anti-inflamatória.

Ela se destaca por ajudar na regulação do peso, mas também auxilia no seu imunológico, taxas lipídicas e entre outros benefícios. Com isso, pode ser interessante conhecer os benefícios dela para sua rotina e sua saúde.

Então neste artigo você entenderá melhor o que é a dieta anti-inflamatória, para que ela serve e quando pode ser vantajoso fazê-la. Nos acompanhe na leitura!

O que é a dieta anti-inflamatória?

Também considerada um estilo de alimentação, a dieta anti-inflamatória é uma estratégia alimentar que tem como objetivo combater naturalmente os processos inflamatórios crônicos e silenciosos do corpo humano. Entre eles podemos destacar sinusite, artrite reumatoide e doença de Crohn.

Além disso, a dieta anti-inflamatória, por meio de alguns alimentos específicos, colabora no auxílio de algumas doenças e complicações de uma pessoa, como problemas cardiovasculares e diabete.

A adoção dela também tem como finalidade evitar comidas que podem acelerar os processos inflamatórios e as enfermidades de uma pessoa.

Para que serve a dieta anti-inflamatória?

Como você viu, a dieta anti-inflamatória visa combater, a partir da escolha e da restrição de certos alimentos, processos inflamatórios silenciosos e crônicos que podem acontecer com você. Entenda mais detalhadamente a seguir:

Você também pode se interessar: Conheça alguns alimentos que podem fortalecer a imunidade

Combate de inflamações silenciosas

As inflamações silenciosas de uma pessoa consistem em tipos de “alertas” que o corpo passa para avisar que algo está acontecendo em seu organismo. Esses avisos corporais podem acontecer por meio oscilações de energia, espinhas, olheiras, oleosidade no corpo e desregulação no intestino.

Portanto, com um acompanhamento profissional, será possível descobrir o que esses alertas estão querendo lhe dizer. Além disso, com uma dieta anti-inflamatória lhe designada, será possível combater estas inflamações silenciosas.

Tratamento de inflamações crônicas

As inflamações crônicas são descritas como várias alterações em seu organismo que reduzem a sua qualidade de vida, como aumento na taxa de colesterol, baixa imunidade, problemas cardíacos e diabete.

Sabendo disso, a dieta anti-inflamatória será baseada em alimentos oxidantes, que poderão lhe ajudar na manutenção do seu organismo. Isso fará com que enfermidades e complicações existentes nele sejam tratadas de maneira natural através da alimentação.

Contudo, é importante deixar claro que, em casos mais graves, apenas a dieta anti-inflamatória não será o suficiente, tornando a prescrição de medicamentos necessária. Ou seja, é importante que o processo do regime em questão seja acompanhado por um profissional da nutrição.

Quando fazer a dieta anti-inflamatória?

A princípio, imagina-se que o recomendável é começar a fazer a dieta anti-inflamatória quando alguma doença relacionada a alimentação for detectada. No entanto, o regime em questão vai além disso.

A dieta anti-inflamatória irá lhe ajudar a combater naturalmente doenças e complicações relacionadas a maus hábitos alimentares, como alta taxa de colesterol, hipertensão e gastrite. Porém, procurar fazê-la quando o problema estiver mais avançado pode não ser o mais recomendável.

O mais sensato seria procurar ajuda de um profissional da nutrição para fazer a dieta anti-inflamatória antes mesmo dessas doenças e complicações serem descobertas ou se agravarem. Isso é vantajoso principalmente para aquelas pessoas que possuem um histórico familiar.

Também é aconselhável que pessoas consideradas saudáveis deem uma chance para a prática da dieta anti-inflamatória. Os benefícios dela podem ser um fortalecimento do organismo e um melhor controle do seu peso — consequentemente tendo um impacto na autoestima.

Você pode se interessar: Viver mais e com saúde

Quais alimentos podem ser parte?

Primordialmente, a dieta anti-inflamatória é feita no estilo mediterrâneo. Isto é, por meio de gorduras consideradas saudáveis, alimentos ricos em nutrientes, alimentos com baixa carga glicêmica, ervas frescas e especiarias. Veja os principais exemplos:

Azeite de oliva extravirgem

O azeite extravirgem possui, aproximadamente, 36 compostos fenólicos. Sendo eles responsáveis pelos benefícios anti-inflamatórios do ingrediente, fazendo com que atue de forma semelhante ao ibuprofeno — um medicamento anti-inflamatório.

Folhas verdes

Folhas verdes, como couve, espinafre e rúcula, são ricos em antioxidantes e vitaminas A, C, E e K. Isso faz com que sejam recomendáveis para serem um componente chave do regime, uma vez que reduzem o risco de doenças crônicas, como câncer e doenças cardiovasculares.

Frutas vermelhas

Frutas vermelhas, como amoras, morangos e framboesas, possuem vários micronutrientes importantes para um organismo, como fibras, polifenóis e antioxidantes, por exemplo. Com isso, elas se tornam importantes para combater inflamações existentes e prevenir futuras.

Dieta Antiinflamatória - frutas vermelhas

Peixes ricos em ômega-3

Salmão, atum e sardinha são exemplos de peixes ricos em ômega-3 e devem ser aliados em uma dieta anti-inflamatória, uma vez que o ômega-3 é um dos grandes responsáveis no tratamento e na prevenção de diabete, doenças inflamatórias intestinais, Alzheimer e transtorno bipolar.

Você pode se interessar: Aumente as defesas do organismo

Tomate

O tomate é um nutriente composto por grandes propriedades antioxidantes, fazendo com que seja um ingrediente benéfico para a saúde do coração, proteção contra queimaduras solares e até mesmo prevenção contra o câncer.

Grãos Integrais

Arroz integral, aveia e centeio são exemplos de grãos integrais importantes em uma dieta anti-inflamatória, visto que um índice glicêmico mais baixo, fazendo com que minimize os efeitos inflamatórios. Além disso, um regime rico em grãos integrais ajuda no controle do peso

Chá verde

O chá verde é rico em catequinas, substância composta por anti-inflamatórios que impedem a formação de células cancerígenas, estimula o crescimento de bactérias benéficas para intestino e ainda reduz o risco do Alzheimer.

Abacate

O abacate é uma fruta rica em gorduras monoinsaturadas, no qual são consideradas saudáveis, e podem ajudar o nível de colesterol e inflamações nas articulações. Além disso, é benéfico para a prevenção de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson.

Uva roxa

A uva roxa possui resveratrol, um composto vegetal com propriedades anti-inflamatória e antioxidante. Além do mais, o consumo dessa fruta diminui o risco de doenças cardíacas, Alzheimer, doenças oculares e obesidade.

E quais devem ser evitados?

Diferente de alimentos que possuem gorduras monoinsaturadas, que são consideradas saudáveis, as comidas com gorduras saturadas e trans não devem fazer parte de uma dieta anti-inflamatória, como biscoitos recheados, chocolate e carnes muito gordurosas — como picanha e fraldinha.

Outros produtos gordurosos que não devem ser ingeridos em grande quantidade são os derivados do leite. Caso contrário, podem gerar doenças cardiovasculares.

Ademais, produtos embutidos, como presunto, mortadela e salsicha, são comidas que devem ser evitados durante uma dieta anti-inflamatória, pois possuem poucos nutrientes, além de alto teor calórico e aditivos químicos em sua produção. Se não fosse o suficiente, alimentos como esse podem causar câncer, caso sejam muito consumidos.

Bebidas como refrigerantes também devem ser evitadas, visto que são muito calóricos. Além do mais, muitas bebidas gaseificadas possuem uma elevada quantidade de ácido fosfórico, que  impossibilita o corpo de absorver o cálcio para fortalecer os ossos.

Já os sucos muito adocicados são outras bebidas que devem ser evitados na dieta anti-inflamatória, visto que, assim como refrigerantes são muito calóricos, e caso sejam ingeridos em grande quantidade e muita frequência, pode aumentar as chances de desenvolver diabete.

Por que o corpo pode ficar “inflamado”?

A inflamação do corpo é consequência de uma alimentação mal balanceada, trazendo complicações para o organismo de uma pessoa.

Além de gerar doenças e complicações para a saúde, uma má alimentação também pode fazer com que uma pessoa sofra com outras consequências, como baixa imunidade, causando vários outras problemas de saúde, além de possíveis dificuldades em cicatrização de feridas.

É por isso que cuidar da alimentação é tão importante. E lembre-se que nunca é tarde para começar. A adoção da dieta anti-inflamatória, principalmente com acompanhamento profissional, pode gerar benefícios significativos para sua qualidade de vida.

Você pode se interessar: Saiba mais sobre a vitamina D

 

 

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Ansiedade Noturna: Psicólogo ensina estratégias para lidar com preocupações durante o sono

Descubra os sinais, origens e métodos para lidar com esse desafio

Leia mais

SBACV alerta para aumento expressivo de trombose venosa no Brasil e responde se há correlação com a vacinação de COVID-19

Sociedade reforça importância de campanhas de conscientização no país

Leia mais

Revolução silenciosa: 38% dos afastamentos nas empresas são por motivos relacionados à saúde mental

O aumento significativo é atribuído a vários fatores, incluindo o impacto contínuo da pandemia e mudanças rápidas no ambiente de trabalho

Leia mais