Emagrecimento

A relação entre a obesidade e a depressão é complexa e multifacetada

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

A complexa interligação entre obesidade e depressão destaca-se por fatores biológicos, estresse, estigma social, estilo de vida e a gestão desafiadora da saúde, exigindo abordagens holísticas para um bem-estar completo.

A relação entre obesidade e depressão é complexa e multifacetada, com cada condição podendo influenciar e agravar a outra. Aqui estão algumas maneiras pelas quais a obesidade e a depressão podem estar interligadas:

Fatores biológicos: A obesidade e a depressão compartilham alguns fatores biológicos comuns, incluindo desequilíbrios químicos no cérebro, como baixos níveis de serotonina, que estão associados tanto à depressão quanto ao apetite e ao controle do peso.

Estresse e trauma: A obesidade e a depressão podem ser desencadeadas ou exacerbadas por eventos estressantes ou traumáticos na vida de uma pessoa, como abuso emocional, trauma físico ou estresse crônico. Esses eventos podem levar a padrões de alimentação emocional, comportamentos sedentários e isolamento social, que podem contribuir tanto para o ganho de peso quanto para a depressão.

Estigma social: As pessoas obesas frequentemente enfrentam estigma social, discriminação e preconceito, o que pode levar a uma baixa autoestima, isolamento social e sentimentos de vergonha e inadequação. Esses fatores podem aumentar o risco de depressão e outros problemas de saúde mental.

A relação entre a obesidade e a depressão é complexa e multifacetada

©Creativa Images via Canva.com

Veja também: Metabolismo: Descubra 7 informações importantes

Estilo de vida pouco saudável: A obesidade está frequentemente associada a um estilo de vida pouco saudável, incluindo uma dieta pobre em nutrientes, falta de atividade física regular, sono inadequado e uso de substâncias. Esses fatores de estilo de vida também podem aumentar o risco de depressão e outros problemas de saúde mental.

Complexidade da gestão da saúde: Gerenciar tanto a obesidade quanto a depressão pode ser desafiador, especialmente porque essas condições podem se reforçar mutuamente. Por exemplo, a depressão pode levar à falta de motivação para se exercitar ou comer de forma saudável, o que pode levar ao ganho de peso e piora da obesidade, criando um ciclo negativo.

É importante abordar tanto a obesidade quanto a depressão de forma holística, buscando tratamento que inclua intervenções médicas, terapia comportamental, apoio emocional e mudanças de estilo de vida saudáveis. Isso pode incluir a consulta a profissionais de saúde mental, como psicólogos ou psiquiatras, bem como nutricionistas, educadores físicos e outros especialistas em saúde. Abordar tanto os aspectos físicos quanto os emocionais dessas condições é essencial para promover uma saúde melhor geral e melhorar a qualidade de vida.

Fonte: Dra Carolina Mantelli Borges – Médica Graduada Em Endocrinologia  | Clínica Mantelli | @dramantelli

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Veja também

Especialista explica como a fisioterapia pélvica auxilia a incontinência urinária em homens e mulheres

Estima-se que a incontinência urinária atinja cerca de 45% das mulheres e 15% dos homens acima de 40 anos

Leia mais

22 de Julho – Dia Mundial do Cérebro

4 dicas para fortalecer a saúde do seu cérebro

Leia mais

A Importância da Amizade: Perspectivas de Especialistas

No dia da amizade vale enaltecer sua importância e o impacto no nosso dia a dia.

Leia mais