Saúde & Bem Estar

A calvície atinge homens e mulheres ao redor do mundo

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

A Dermatologista e Cirurgiã Capilar Dra Leila Bloch tira as principais dúvidas a respeito da calvície e orienta sobre o que fazer ao notar a queda excessiva dos fios

A calvície, ou alopecia, é uma condição relativamente comum e que mexe bastante com a autoestima das pessoas que acabam sofrendo do problema. Dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)  apontam que 30% dos pacientes do sexo masculino começam a conviver com a calvície quando atingem a idade dos 30 anos, um período em que os fios de cabelo afinam com mais frequência e potencializam a queda.

Da mesma forma, mesmo que muitas vezes seja vista como algo mais frequente nos homens, a calvície também atinge o público feminino. Dados da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar (ABCRC) mostram que 25% das mulheres entre 35 e 40 anos lidam com algum grau de calvície, enquanto acima dessa idade a porcentagem chega aos 50%.

Por ser um problema que atinge homens e mulheres, sem ter uma idade certa para acontecer, é importante conhecer mais sobre a calvície e como evitá-la, até mesmo tratá-la para quem  já sofre com ela. A Dra. Leila Bloch*, que tem doutorado em cabelos e é criadora da Clínica Bloch, vem tirar algumas dúvidas a respeito da calvície.

O que causa a calvície?

A causa mais comum para a calvície envolve questões hereditárias, ou seja, vem da genética da pessoa. Ainda que existam outras possibilidades, cerca de 90% do total de perda capilar é resultado de uma doença conhecida como Alopecia Androgenética, caracterizada por um afinamento dos fios.

Essa situação é estimulada por uma maior sensibilidade à ação hormonal da di-hidrotestosterona. Depois que esse processo tem início, acontece um quadro lento e progressivo da perda capilar.

Veja também: Conheça alguns alimentos que podem fortalecer a imunidade

Os tratamentos para queda de cabelos para homens e mulheres são similares?

Existem inúmeras formas para tratar problemas com a queda de cabelo, entre eles o uso de shampoos específicos, loções capilares, vitaminas, medicamentos e o próprio transplante capilar. Para adotar o melhor tratamento primeiro é necessário conhecer o caso de cada paciente.

“É importante lembrar que nem todo mundo pode fazer qualquer tipo de tratamento. É preciso saber quais são as causas da queda capilar para, então, iniciar o melhor tratamento . É muito importante a consulta com o médico dermatologista , para uma melhor orientação e avaliação  sobre o tratamento a ser seguido para a queda de cabelos”, pontua a Dra. Leila Bloch

Uma dúvida que também costuma ser bastante comum ao falar sobre queda capilar é se há, de fato, eficácia nas medicações utilizadas.  Atualmente existem medicamentos que são aprovados pelo FDA para tratar a perda de cabelo padrão androgenética, incluindo Minoxidil, que é uma medicação tópica para homens e mulheres e Finasterida, medicamento via oral.

No entanto, assim como pontuado anteriormente, nem todos os casos podem ser resolvidos apenas com medicação. “Embora esses medicamentos possam retardar e até interromper a progressão da perda capilar, em grande número de casos ocorre queda mesmo com a medicação, o que faz com que a cirurgia de Transplante Capilar seja a melhor solução para os casos mais avançados de Calvície/ Alopécia”, ressalta a especialista.

Imagem by Canva

Veja também: Prepare bebidas que ajudam a fortalecer o sistema imunológico

Como funciona a cirurgia de transplante capilar?

Uma serie de mudanças vêm transformando a restauração capilar em um procedimento altamente sofisticado, artístico e, ao mesmo tempo, minimamente invasivo. O transplante deixou de ser apenas um procedimento médico e tornou-se uma “arte capilar”, dada a plenitude de seus resultados.

“O cabelo transplantado é removido de uma área do corpo (área doadora) e transferido para outra (área receptora). O folículo transplantado não é “rejeitado” pois não é estranho ao organismo”, explica a Dra. Leila.

Além disso, o procedimento tem um resultado permanente, uma vez que os fios não passaram por um afinamento, já que preservam a memória da área doadora. Ou seja, o resultado da cirurgia é prolongado.

Existe idade mínima para a realização da cirurgia?

A calvície pode atingir diferentes faixas etárias, homens e mulheres. Dentro desse contexto é importante ressaltar que não existe uma idade mínima para fazer a realização da cirurgia de transplante capilar, já que ela possui baixo risco cirúrgico.

No entanto, é importante ter uma definição concreta de perda capilar para a realização de transplantes em pacientes mais jovens. Esse diagnóstico é avaliado a partir das consultas médicas com um especialista.

A calvície está relacionada diretamente com a autoestima. Para algumas pessoas, a queda de cabelo pode acabar ocasionando o desenvolvimento de outras doenças, como a depressão e transtornos de ansiedade, uma vez que a pessoa não consegue ficar feliz com a autoimagem.

Por isso, assim que a queda dos fios for detectada é fundamental procurar um médico especialista para verificar as causas da perda de cabelo e analisar as melhores opções de tratamento para cada caso. Estar bem com a própria imagem é uma questão de saúde psicológica e emocional, que afeta diretamente os relacionamentos interpessoais.

Veja também: Combate ao câncer de pele

*Dra. Leila Bloch é graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Possui Doutorado( PhD) em Ciências da Saúde na área de cabelos pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual, IAMSPE, Brasil. É especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e pelo M.E.C., é Diretora médica e fundadora da Clínica Bloch desde 2010 e autora do livro Fio a Fio. | R. Joaquim Floriano-72.cj 37- Itaim Bibi | (11) 3071-4114 | http://clinicabloch.com.br/ | Instagram: @clinicabloch e @drabloch

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais

Dia Mundial de Combate a Asma; entenda mais sobre a condição

O Dr. Marcelo Vivolo Aun comenta a respeito da data e da sua relevância para as pessoas que convivem com essa síndrome.

Leia mais

Você sabe o que é ombro de nadador?

Mesmo sendo um dos esportes de baixo impacto é preciso ter atenção.

Leia mais