Saúde Mental

Práticas de mindfulness e meditação para o bem-estar mental

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

 Conheça mais sobre a meditação mindfulness e como incorporá-la dentro da rotina. 

No ritmo acelerado de rotinas nas quais as pessoas possuem cada vez menos tempo e lidam com mais pressões, não é difícil de corpo e mente ficarem muitas vezes enfraquecidos. Diante disso, encontrar formas de ter uma melhor qualidade de vida, em todos os âmbitos, é essencial para o bem-estar e é aí que entra mindfulness e meditação.

Entre essas possibilidades, a meditação mindfulness é uma ótima opção para trabalhar o cuidado com a mente, resultando também em benefícios físicos aos adeptos da prática. Melhoria de foco, qualidade do sono e redução do estresse são algumas das vantagens trazidas pela prática.

O que é mindfulness?

Traduzido para o português, mindfulness significa atenção plena. A prática consiste em concentrar-se no aqui e agora, focando no presente. Assim, é um exercício que exige foco para desenvolver maior consciência sobre pensamentos, sensações e emoções.

O mindfulness consiste em três passos simples:

  • Encontrar algo para ser o foco — denominado como âncora;
  • Manter a atenção na âncora;
  • Observar os pensamentos.

Esta atenção necessária ao mindfulness pode ser praticada de diversas formas, como a meditação ou o ato de estar mais presente nas tarefas diárias.

Com o tempo, a prática vai se tornando mais fácil e ajuda o indivíduo a lidar melhor com questões do dia a dia, ajudando em situações de estresse e ansiedade.

O que é meditação?

A meditação se refere às variadas técnicas responsáveis por promover relaxamento, autoconsciência e foco. Ou seja, é uma prática mental para treinar a concentração e direcionamento consciente da mente.

Embora existam várias abordagens e técnicas de meditação, a maioria envolve encontrar um local tranquilo, sentar-se em uma posição confortável e direcionar a atenção para um objeto de foco — respiração, uma palavra ou frase repetitiva (mantra), uma imagem visual ou uma sensação corporal.

Veja também: Meditação: benefícios e tipos

Qual a diferença entre mindfulness e meditação?

Já que ambas são práticas nas quais o foco e concentração se fazem necessárias, isso significa que mindfulness e meditação são a mesma coisa? Não! As duas práticas costumam ser utilizadas conjuntamente para o bem-estar mental, mas possuem diferenças entre si.

A atenção plena, ou mindfulness, é uma forma específica de focar no atual, podendo ser praticado em sessões formais de meditação, mas também pode ser aplicado nas atividades diárias, trazendo atenção plena para as ações e experiências cotidianas.

Já a meditação pode ter várias abordagens e técnicas, como meditação da respiração, meditação transcendental, meditação guiada e o próprio mindfulness.

Quais as vantagens de praticar a meditação mindfulness?

A meditação mindfulness traz inúmeras vantagens, entre elas:

  • Redução de estresse e ansiedade;
  • Melhoria no foco;
  • Flexibilidade no corpo;
  • Controle de insônia;
  • Aumento da atenção e concentração;
  • Melhoria da clareza mental e tomada de decisões.

Práticas de mindfulness e meditação para o bem-estar mental

Quais as técnicas de meditação mindfulness?

A aplicação das técnicas de mindfulness e meditação pode ajudar a reduzir o estresse, aumentar a clareza mental e promover uma sensação geral de calma e equilíbrio emocional. Algumas das principais técnicas são:

1.      Respiração

Como em outros tipos de meditação, na meditação mindfulness a respiração é uma base essencial. Prestar atenção enquanto respiramos é uma forma de informar ao nosso cérebro o momento de relaxar e baixar a ansiedade.

Respirar é algo tão natural, que dificilmente paramos para focar na nossa respiração. Contudo, uma respiração correta e consciente é fundamental para o corpo e mente.

2.      Âncora visual

Outra técnica a ser usada na meditação mindfulness é a âncora visual. Ela consiste em escolher um elemento ou objeto com ponto de foco, ajudando a manter a meditação uma vez que ver a âncora visual e ter consciência dela é uma maneira de permanecer focado na prática.

Além disso, principalmente no início, algumas pessoas acabam tendo dificuldade de manter a concentração quando estão de olhos fechados, sendo tomadas por pensamentos sem nexo para o momento da meditação. Nesses casos, a âncora visual também é essencial para a manutenção do foco.

3.      Âncora auditiva

Assim como a âncora visual, a âncora auditiva também é um excelente técnica para a meditação mindfulness. Neste caso, é preciso escolher um som constante e recorrente — como o som do ventilador ou da chuva — mantendo a concentração nele enquanto medita.

Veja também: Mindfulness: cuidado com a mente

Como começar a praticar meditação mindfulness?

Para quem deseja começar a praticar a meditação mindfulness, é possível fazer de forma simples e sem grandes investimentos. O maior investimento é seu tempo, dedicação e comprometimento com a prática. Algumas dicas para os iniciantes, são:

Escolha um lugar silencioso

O silêncio é uma ótima forma de se concentrar, já que é possível evitar distrações e ficar focado no momento. Procure um lugar em casa mesmo no qual consiga ficar sem ser interrompido e sem barulhos para atrapalhar.

Encontre uma posição confortável

O conforto também é um passo muito importante ao praticar a meditação, já que você não pode ficar todo tempo se mexendo por estar desconfortável. Por isso, escolha uma posição na qual seja possível permanecer longos períodos enquanto a prática é realizada.

Controle a respiração

Na meditação mindfulness, a respiração desempenha um papel fundamental ao servir como ponte para o cérebro desconectar dos demais acontecimentos ao redor e possa se concentrar na prática em si.

Fazer uma respiração consciente é prestar atenção em como o ar entra pelos pulmões e sai. Ao fazer este movimento diversas vezes, é possível regular a respiração e fazer com que o corpo entre em um estado de calmaria.

Foco 100% no momento

A grande chave da meditação mindfulness é focar no presente, no momento. Por isso, ao praticar a técnica a pessoa precisa estar 100% comprometida com ele. Ou seja, nada de ficar pensando no celular, nos e-mails não respondidos ou nas compras que precisam ser feitas em seguida.

Você não precisa passar longas horas meditando, mas no tempo que tiver se dedique completamente a prática.

Lembre-se de que a prática é individual e pode variar de acordo com as preferências e necessidades de cada pessoa. Comece com sessões curtas e vá aumentando gradualmente o tempo conforme se sentir confortável. Com o tempo, você pode experimentar diferentes práticas e descobrir o que funciona melhor para você.

Veja também: Conheça cinco benefícios da meditação para idosos

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Enxaqueca oftálmica – Entende as causas, sintomas e tratamento

Entenda a importância de saber distinguir entre uma enxaqueca comum e uma enxaqueca derivada da visão.

Leia mais

Bariátrica estabiliza nível cognitivo, diz estudo

Estudo revela que a cirurgia bariátrica pode ajudar no longo prazo a estabilizar o nível cognitivo

Leia mais

5 Dicas para as empresas colaborarem com ambientes de trabalho mais saudáveis

Estudo mostra que 33% dos funcionários brasileiros têm algum tipo de transtorno mental

Leia mais