Saúde Masculina

Disfunção erétil: Como tratar?

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

Condição que atinge homens em vários estágios da vida e impacta diretamente no bem-estar psicológico e na autoestima.

O impacto da Disfunção erétil no psicológico masculino

A disfunção erétil é um mal que pode atingir qualquer homem — e em diversos estágios da vida. Sendo assim, essa condição não está relacionada exclusivamente ao envelhecimento e pode ter múltiplas causas.

Ao afetar a vida sexual do homem, impossibilitando o surgimento de uma ereção satisfatória, esse cenário pode impactar negativamente o psicológico e a autoestima. Com isto em mente, existem opções de tratamento que podem ser exploradas para garantir o retorno pleno das funções.

O médico urologista Dr. Giuliano Guglielmetti, ao longo deste material, tira as principais dúvidas sobre a temática, pontuando sobre as múltiplas causas e diferentes opções de tratamento para a disfunção erétil,

Continue a leitura!

O que é e quais são os sintomas de disfunção erétil?

A disfunção erétil é a impossibilidade de manter ou obter a ereção durante as relações sexuais. “Alguns não vão ter ereção, outros vão ter e no meio da relação perdem a ereção”, pontua o urologista Dr. Giuliano Guglielmetti.

Assim, a disfunção erétil pode se manifestar de duas formas, com a falta de ereção e/ou com a regressão da ereção durante o ato sexual. Para entender melhor como o preparo do órgão para a relação acontece você precisa saber, anatomicamente, o que faz surgir uma ereção.

O que faz o pênis ficar ereto é o sangue. Ou seja, para o órgão poder ficar ereto, possibilitando o ato sexual, é necessário que ele receba uma quantidade suficiente de sangue, devendo ser mantido na região durante o ato.

Com isso, o principal sintoma é não conseguir alcançar uma ereção ou mesmo não ser possível mantê-la pelo tempo necessário. Para esse problema existem muitas causas.

Que causas seriam responsáveis por essa impotência?

Dentre as principais causas existem quatro motivos, podendo atingir homens de todas as idades. A primeira é psicogênica “O indivíduo na hora de ter relação fica ansioso ou nervoso e as vezes falha. [Ele] falha porque quem faz a ereção é uma parte do sistema nervoso autônomo que é o parassimpático, que faz parte do sistema nervoso que funciona com a gente relaxado, tranquilo”, explica o urologista.

Além disso, o especialista ainda pontua que a outra parte do sistema nervoso autônomo, que é o simpático, também é um dos responsáveis: “Ele é o inverso do parassimpático, é o que deixa a gente agitado, preparado para uma luta ou uma fuga. E ele inibe a ereção.”

O psicológico é um dos fatores que afetam a ereção, sendo uma causa orgânica. A obstrução dos vasos sanguíneos também pode ser um dos causadores dessa condição, eles transportam o sangue até a região peniana para ocupar o corpo cavernoso e com isso promover a ereção.

Ou seja, se o indivíduo tiver alguma obstrução nessa passagem, a ereção não é possível. “Pode ter uma causa endocrinológica, ou seja, hormonal. A falta de hormônio [pode ser determinante] e às vezes, uma testosterona baixa, pode levar ao corpo cavernoso não funcionar direito”, comenta o urologista.

A parte neurológica também pode ser responsável por causar disfunção erétil nos homens, já que ela é responsável por dilatar os vasos sanguíneos e promover um relaxamento na musculatura do corpo cavernoso.

“Se a mensagem não chegar direito no corpo cavernoso e nos vasos, ele não vai ter ereção. [Assim] doenças neurológicas podem levar à disfunção”, exemplifica o Dr. Giuliano Guglielmetti.

A diabetes tem um papel determinante nessa condição. Ela pode causar sérias lesões nos nervos, dificultando ou impossibilitando a comunicação e também pode ser responsável por causar o estreitamento dos vasos sanguíneos.

Disfunção Eretil

Quais fatores externos podem causar disfunção erétil?

Além dos fatores que você conferiu, a utilização de anabolizantes pode contribuir para a causa da disfunção erétil. De acordo com o urologista, contudo, o excesso de testosterona dificilmente causa a disfunção erétil.

“O que acontece é que o indivíduo que usa anabolizante pode ter um [efeito] rebote quando ele para de utilizar. Porque quando ele usa o externo, para de produzir a testosterona endógena. E na hora que ele para a testosterona exógena — que é aquela que ele está usando — o organismo dele não vai estar produzindo testosterona e ele vai ter um hipogonadismo”, detalha.

O hipogonadismo significa que existe uma deficiência de testosterona, o que pode ocasionar a disfunção erétil naquele homem. Além disso, existem outras causas externas que influenciam na ereção, como no caso de certos medicamentos, como:

  • antidepressivos;
  • opioides;
  • remédio para calvície;
  • antiandrógenos;
  • imunossupressores.

Esses são exemplos de medicamentos que podem afetar negativamente a vida sexual masculina. No entanto, nunca troque a indicação do seu médico por outras alternativas que não sejam recomendadas pelo profissional da saúde.

A utilização de drogas, cigarro ou álcool também podem ocasionar uma disfunção erétil. É necessário pontuar que, se estiver experienciando problemas dessa natureza, converse com o seu médico e faça um acompanhamento com um profissional da urologia.

Como é feito o diagnóstico?

O primeiro passo para o tratamento é o diagnóstico e ele pode ser feito apenas com uma análise clínica com informações fornecidas pelo paciente. Com esse primeiro contato, o profissional vai em busca de causas específicas como doença cardiovascular, neurológica, hormonal ou psicogênica, por exemplo.

Após essa primeira análise, o profissional da saúde avaliará se existe a necessidade da realização de outros exames e testes que podem incluir o teste de intumescência peniana noturna, por exemplo.

Se faz necessário pontuar que a vergonha é um dos fatores que dificultam a resolução do problema. Assim, quando identificar os primeiros sinais de que algo não está correto busque ajuda médica, esse é o caminho para buscar um tratamento.

Quais são as opções de tratamento?

Dentro do campo médico existem diversas opções de tratamentos que podem atuar na resolução da disfunção erétil e essa indicação surgirá a partir da identificação da causa base para o quadro.

“Por exemplo, o indivíduo tem um colesterol alto e está obstruindo as artérias. Tem que tratar a causa de base, tratar colesterol, tratar a pressão alta”, cita o especialista Dr. Giuliano Guglielmetti.

Existem medicamentos específicos que podem promover, ao serem indicados, uma ereção no homem, são eles os inibidores da Fosfodiesterase. Os mais conhecidos são Viagra, Levitra, Cialis, dentre outros.

A ingestão desses remédios causa uma dilatação da artéria que transporta o sangue para a região peniana. Esse estímulo facilita a ereção. Porém, existe a possibilidade de perderem o efeito.

“Quando esses remédios param de fazer efeito, de modo geral, a gente parte para uma injeção de um medicamento dentro do corpo cavernoso, que é um vasodilatador potente. Geralmente usamos a associação de três remédios e isso faz uma vasodilatação enorme e promove uma ereção”, explica o urologista.

Entretanto, quando esse tratamento também não tem a efetividade buscada, a prótese peniana — alocada dentro do pênis do paciente — ou o aparelho de vácuo (AV) — anel posicionado na base do pênis — podem ser indicados.

Existe a possibilidade de recuperar a função de forma natural?

Muitas pessoas buscam evitar intervenções medicamentosas ou invasivas, como a prótese peniana, e procuram voltar à normalidade de forma natural. “Quando a situação é muito inicial, a gente consegue [retornar a função]. Por exemplo, diabetes inicial, pressão alta, colesterol, você pode tratar e voltar ao normal”, pontua o especialista.

Contudo, o urologista explica que quando se está em um processo mais avançado, as dificuldades aumentam. Mas, mesmo nesse cenário, é possível tratar com as estratégias que você aprendeu no tópico anterior.

Mas quando você realiza o tratamento é possível que encontrar soluções para disfunção erétil. Então fique atento ao seu corpo, procure opções para resolver o problema e converse com um médico especializado, pois ele indicará a melhor solução para o seu caso.

Veja também: Homens, cuidem-se!

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Veja também

Lipedema: No mês de conscientização a SBACV reforça o cuidado vascular da mulher

Condição que acomete 10% da população feminina acende alerta sobre importância da informação e consultas com especialistas adequados

Leia mais

Riscos da divulgação de “antes e depois” de procedimentos estéticos

Cirurgião plástico Josué Montedonio adverte sobre riscos da divulgação de "antes e depois" de procedimentos estéticos

Leia mais

Preliminares: Entenda a importância para o corpo feminino

Você sabe por que uma mulher precisa de preliminares no momento do sexo?

Leia mais