Especialistas

Endometriose: o que você precisa saber sobre a doença

Escrito por:Dr. Eduardo Miyadahira | 5 min

Doença que atinge 1 a cada 10 brasileiras requer atenção e cuidado médico

Cada mulher sente de forma diferente seu ciclo menstrual e tem uma relação própria com esse período do mês, e, quase que por unanimidade, é considerado um momento de incômodo. Porém, algumas podem senti-lo de forma ainda mais intensa, com fortes dores. Quando isso ocorre, é preciso ter atenção para a possibilidade de endometriose.

Para entendermos sobre a doença, primeiro precisamos explicar que o endométrio é o tecido que reveste o interior do útero. É nele que o óvulo fertilizado fica implantado. Quando não ocorre essa fecundação, boa parte do endométrio é eliminada durante a menstruação. A parte que permanece se regenera e o processo se repete a cada ciclo.

Atingindo uma a cada 10 brasileiras, de acordo com o Ministério da Saúde, a doença é caracterizada pela presença do endométrio fora da cavidade uterina, ou seja, atingindo outros órgãos da pelve, como ovários, intestinos, útero e bexiga. Isso normalmente acontece porque células do endométrio que deveriam ser expelidas fazem o caminho inverso e vão para os ovários ou cavidade abdominal, onde se multiplicam.

Normalmente, a doença é diagnosticada entre os 25 e 35 anos. Estima-se que há um atraso na identificação da endometriose, uma vez que normalmente não é dada a devida atenção às dores intensas no período menstrual, um dos principais sintomas. Ainda, mulheres afetadas pela enfermidade podem apresentar:

• Dores nas relações sexuais com penetração, em geral relacionada ao local de contato no interior da vagina
• Dores ao urinar e evacuar, principalmente durante o período menstrual
• Fadiga
• Diarreia
• Dificuldade para engravidar

Na população das mulheres com infertilidade, a endometriose pode acometer até 50% delas.

O diagnóstico é difícil de ser feito em exames físicos, então é importante realizar exames específicos, como o ultrassom transvaginal com preparo intestinal e a ressonância magnética da pelve.

O tratamento da endometriose depende dos planos reprodutivos. Para aquelas mulheres que não desejam engravidar, podem ser utilizados métodos que interrompam os ciclos menstruais espontâneos, como pílulas ou o DIU que libera hormônio, ou tratamento cirúrgico minimamente invasivo. Já para aquelas mulheres que desejam engravidar, sugere-se procurar ajuda especializada a fim de avaliar as demais características do casal.

As causas para seu aparecimento ainda não são claras, assim como não há formas comprovadas de prevenção. Então, o melhor é manter-se atenta aos sintomas e procurar um médico para diagnóstico rápido, o que irá evitar a progressão da doença.

Sobre o autor

Dr. Eduardo Miyadahira - Formado em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP), é Ginecologista e Obstetra titulado pela FEBRASGO e especialista em Reprodução Humana. Mestrado pela Faculdade de Medicina da USP com parceria da Michigan State University sobre o tema Endometriose. Atende os casos de ginecologia e obstetrícia em consultório próprio, no Itaim Bibi, e os casos de infertilidade na Clínica VidaBemVida (Clínica de Reprodução Humana), no bairro Bela Vista.  

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Artroscopia de Quadril: entenda o que a técnica cirúrgica pode tratar

Neste artigo, o Dr. Leandro Ejnisman, especialista em ortopedia e traumatologia, esclarece as principais dúvidas a respeito desse método inovador

Leia mais

Os benefícios da prática de natação pós Covid-19

A Dra. Giovanna Sperandio discorre a respeito desse assunto

Leia mais

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais