Ortopedia

Artroscopia de Quadril: entenda o que a técnica cirúrgica pode tratar

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar |

Neste artigo, o Dr. Leandro Ejnisman, especialista em ortopedia e traumatologia, esclarece as principais dúvidas a respeito desse método inovador

A utilização do artroscópio é comum no tratamento de patologias presentes nos joelhos, tornozelos, ombros, punho, cotovelo, entre outros. Afinal, ele permite diagnósticos mais precisos e colabora para o tratamento.

Porém, seu uso não se limita a essas áreas do corpo. Nesse sentido, a sua utilização para fazer exames e tratar enfermidades que estão presentes no quadril é inovadora. Inclusive, essa técnica é fonte de aprendizado para muitos profissionais da área.

Ao longo deste artigo, o especialista em ortopedia e traumatologia, Dr. Leandro Ejnisman*, explica sobre o procedimento, contraindicações e recuperação dos pacientes. Acompanhe a leitura!

O que é a Artroscopia de Quadril?

A Artroscopia de Quadril é uma técnica feita de forma cirúrgica e deve ser executada por um especialista em ortopedia. Ela é um procedimento minimamente invasivo, conforme explica o Dr. Leandro Ejnisman:

“O procedimento é realizado por pequenas incisões (cortes) na região do quadril. O cirurgião insere uma câmera na articulação por uma das incisões, e opera olhando para um televisor”.

As outras incisões são feitas para colocar instrumentos cirúrgicos que são necessários para a execução da técnica. “Na cirurgia para correção do impacto, é realizada uma raspagem do osso excessivo do fêmur e acetábulo, e são dados pontos no lábio acetabular para tratar sua lesão”, exemplifica ele.

Esse procedimento é pioneiro nas cirurgias menos invasivas, tendo em vista que provoca um trauma menor no corpo. Além disso, a recuperação de cirurgias minimamente invasivas é, geralmente, mais rápida e com menos tempo de internação.

É necessário ressaltar que antes da implementação da técnica, o acesso ao quadril se fazia por meio do deslocamento do fêmur e da bacia, também conhecido como luxação controlada. Esse procedimento executado no passado era considerado de grande porte.

Veja também:  Plantão #24 – Quadril: Prótese e Artroscopia

O que a cirurgia trata?

“A principal doença tratada por meio da artroscopia do quadril é o impacto femoroacetabular (IFA) e a lesão do lábio acetabular”, afirma o médico especialista Dr. Leandro Ejnisman.

O IFA é uma das principais causas de dor no quadril no paciente jovem. Nessa doença, pequenas alterações no formato da articulação do quadril levam a uma lesão do lábio acetabular e da cartilagem acetabular.

Essas são estruturas fundamentais para o bom funcionamento da articulação do quadril. No tratamento da IFA é possível corrigir o problema por meio de uma raspagem, esse procedimento impede que o fêmur e o osso da bacia (acetábulo) se choquem.

Ademais, também existem outras doenças que podem ser tratadas por meio do procedimento Artroscopia de Quadril, como:

  • determinados tumores localizados no quadril;
  • corpos livres articulares;
  • displasias leves
  • lesões da cartilagem;
  • ressaltos do quadril;
  • síndrome piriforme.

Contudo, é indispensável lembrar que apenas um médico especialista poderá avaliar a sua condição e recomendar o melhor procedimento para cada caso. Afinal, apesar de ser um procedimento minimamente invasivo, a técnica ainda possui contraindicações.

Veja também: A hora e a vez de falar sobre o Quadril

Quem pode fazer a cirurgia de Artroscopia de Quadril?

O Dr. Leandro Ejnisman afirma que a maioria dos pacientes atendidos com essa técnica são jovens, de ambos os sexos. “É possível, porém menos comum, realizar esta cirurgia em pacientes mais idosos”, destaca.

Além disso, a artroscopia do quadril é contraindicada para pacientes que possuam um desgaste avançado no quadril, também conhecido como osteoartrose. Nesse cenário, a possibilidade de indicação para o procedimento é limitada.

Ela também não deve ser executada em casos de displasia grave do quadril. “Essa é uma condição onde a cabeça do fêmur é menos encaixada no acetábulo”, elucida o médico especialista.

Como é a recuperação após o procedimento?

Como você entendeu, por ser uma técnica minimamente invasiva e com poucas incisões e traumas no corpo, o paciente, geralmente, recebe alta hospitalar no dia seguinte ao procedimento.

“Na maior parte dos casos é utilizado um par de muletas por 3 semanas. A recuperação é progressiva e depende muito das peculiaridades do caso”, comenta o médico ortopedista.

É importante ressaltar que, habitualmente, o paciente estará de volta às suas atividades esportivas de forma irrestrita por volta de 6 meses após o procedimento.

Mas antes mesmo deste período já é possível iniciar algumas atividades mais leves como a bicicleta ergométrica, que é liberada logo no pós operatório inicial.

Como é o acompanhamento após a cirurgia?

É necessário que seja feito um acompanhamento de pós operatório nos primeiros 6 meses após o procedimento cirúrgico. Essas consultas são necessárias para avaliar a recuperação e a evolução de cada caso.

Esses encontros periódicos irão analisar a liberação do indivíduo para o seu retorno às atividades diárias. “Neste período são realizadas radiografias e avaliações físicas para checar se a evolução do paciente está adequada”, afirma o Dr. Leandro Ejnisman.

Mas, mesmo após a finalização do acompanhamento, é necessário retornar ao consultório do seu médico para uma avaliação após 1 ano de procedimento. Essas medidas são de extrema importância para a verificação de possíveis problemáticas na recuperação.

Veja também: Quadril e atividades esportivas

Esse procedimento cura o diagnóstico?

O resultado final da cirurgia depende muito do estado da cartilagem. Por exemplo, existem pacientes que possuem impacto femoroacetabular e lesão do lábio acetabular, sem lesão da cartilagem, em que existe uma grande possibilidade de plena recuperação.

“Em casos onde o paciente apresenta lesão da cartilagem, a melhora pode ser menos significativa. Porém, os índices de satisfação do procedimento são muito altos, acima de 90%”, comenta o médico.

Ou seja, em determinados casos, após o procedimento cirúrgico existe a probabilidade de ser uma “cura”, com o indivíduo ficando assintomático. Contudo, isso não é possível em todos os cenários.

A avaliação do profissional especialista deve ser criteriosa, e o paciente não deve tardar na busca por um especialista para que não exista um agravamento do quadro.

Veja também: Plantão #29 – Inovação, ensino e doenças dos quadris

Dr. Leandro Ejnisman, médico ortopedista e traumatologista especializado em quadril pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo | www.leandroejnisman.com.br| @dr.leandro.ejnisman 

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

7 informações que você precisa saber sobre Salmonella

A salmonella é uma bactéria que causa muitas preocupações aos brasileiros.

Leia mais

5 sinais de que você precisa desacelerar a rotina

A correria da rotina pode afetar todos nós. Entenda como identificar esses sinais que o seu corpo pode mandar

Leia mais

Conheça 8 benefícios das risadas para a saúde física e emocional

Entenda qual a importância que o sorriso traz para a vida da pessoa.

Leia mais