Saúde & Bem Estar

A fatura pelo excessivo uso do celular chega à coluna

Escrito por:Redação SO.U + Bem Estar | 3 minutos de leitura

Será que ainda é possível imaginar a vida sem um smartphone?

O aparelho e suas funcionalidades estão tão incorporados ao nosso dia a dia, que ele parece até ser uma extensão de nosso corpo. Não seria um exagero dizer que uma das imagens mais emblemáticas deste século é a de uma pessoa com a cabeça abaixada olhando para o celular em sua mão.

O problema é que essa postura, e que pode ser presenciada em todos os lugares, não faz nada bem para a coluna cervical. “A cabeça de um ser humano adulto pesa em torno de 6 quilos na posição natural, isto é, reta sem abaixar ou levantar Mas à medida que vamos inclinando a cabeça para baixo, o seu efeito sobre a área cervical da coluna é de um peso maior”, segundo o Dr. Bruno Aprile, especialista em coluna vertebral da Clínica SOU.

“Se a inclinação corresponder a 15°, o peso seria equivalente a 12 kg. Em um ângulo de 30°, 18 kg. Quando estamos utilizando o celular com a cabeça em uma inclinação de 45°, a força sobre a coluna corresponde a 22 kg. E se a abaixamos ainda mais a cabeça, chegando a 60°, como quando ficamos olhando o celular, o peso pode chegar a 27 quilos”, conta o médico.

E hoje se usa o celular para tudo. Para trabalhar, pagar contas, fazer planilhas, ver filmes e clips, tirar fotos, passar e consultar mensagens, ouvir música, fazer lista de compras de supermercado e até para telefonar! Isso significa que passamos muito tempo, ao longo dos dias, nessa postura prejudicial.

“Formada por sete vértebras, a cervical é a área da coluna que sustenta cabeça sobre os  ombros. As vértebras e discos intervertebrais  (superiores) são responsáveis pela sustentação  e rotação da cabeça e pelos movimentos do pescoço, (enquanto as outras, pela sustentação dos braços e ombros. Em consequência do apoio que oferecem para as articulações dos ombros, são expostas a ocorrência de patologias degenerativas, com hérnia de disco e artroses)  e estão sujeitas a doenças degenerativas principalmente quando submetidas a sobrecargas  e esforço excessivo, explica o ortopedista.

“Em consequência dessa má postura, a pessoa sente dores na região do pescoço que podem vir acompanhadas por rigidez e espasmos musculares”, diz o médico. Realmente o uso do celular também já está tornando comum as dores e problemas na coluna. A Organização Mundial de Saúde (OMS), já considera a questão como uma PANDEMIA. A média mundial de dor crônica na população é de 35% e de 37% no Brasil.

Ninguém quer passar o resto da vida sentido dores. Por isso, é possível adotar algumas medidas para ajudar a evitar o problema. Veja as dicas do Dr. Bruno abaixo:

  • Na medida do possível, use menos o celular. Tudo bem que ele faz parte da nossa vida, mas se analisar, dá sim para diminuir seu uso.
  • Em vez de abaixar a cabeça para ver o celular, levante o celular à altura de seu rosto, apoiando os cotovelos sobre a mesa se possível. O ideal é que o maxilar forme um ângulo de 90 graus com o pescoço.
  • Claro, os alongamentos não podem faltar. Que tal, duas a três vezes por dia, repetir dez vezes o movimento de levantar a cabeça, olhando para o teto, e em seguida voltá-la à posição de 90 graus? Simples, não?
  • Fortalecer os músculos dos ombros deixa a região menos suscetível a dores. Como fazer para isso acontecer? Praticando pilates e ioga, por exemplo.
  • Exercícios aeróbicos, como corrida e caminhada, ajudam a melhorar a postura.

No entanto, se a pessoa sente dores na região, ela deve procurar um médico ortopedista.

Sobre o autor

Portal de Notícias sobre esporte, saúde, e bem-estar. Uma fonte de Informações a partir de pesquisas científicas nas áreas de ortopedia, medicina esportiva, fisioterapia e tratamentos coadjuvantes.

Dúvidas e Comentários

Espaço para que você possa deixar suas dúvidas e comentários, que serão respondidas pelos nossos Especialistas.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Artroscopia de Quadril: entenda o que a técnica cirúrgica pode tratar

Neste artigo, o Dr. Leandro Ejnisman, especialista em ortopedia e traumatologia, esclarece as principais dúvidas a respeito desse método inovador

Leia mais

Os benefícios da prática de natação pós Covid-19

A Dra. Giovanna Sperandio discorre a respeito desse assunto

Leia mais

Maio Amarelo: prevenção é a palavra-chave

Os médicos ortopedistas Dr. Pedro Baches Jorge e Dr. Bruno Takasaki Lee falam a respeito da prevenção de lesões causadas por má-postura ao volante

Leia mais